segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Loki - Mini-série em 4 Edições

Loki finalmente realizou seu antigo sonho, e agora é rei de Asgard.
Antes de tudo, esta é uma revista que atrai pela sua beleza. Esad Ribic, conhecido no Brasil como o capista da fase de Rucka no título de Wolverine, mostra que não é apenas um desenhista de painéis, mas também um excelente quadrinhista, com uma narrativa visual ágil e emocionante.

Também vale admirar em sua arte o visual de Loki com seus dentes podres e o cenário maravilhoso, resgatando a Asgard que é uma ilha cheia de maravilhas flutuando no espaço.

A história deixa em aberto como Loki venceu e parte para mostrar como seria seu reinado. Thor e seus aliados estão derrotados, humilhados e encarcerados. O deus da trapaça agora reina supremo, mas começa a ver que não pode mandar e desmandar como pensava. Durante suas tentativas de ascender ao trono, ele valeu-se de muitos aliados e agora todos querem uma participação nos espólios de guerra, cobrando antigos favores.

Esta minissérie se tornou uma ótima fábula sobre destino, solidão e inveja. Loki cria em sua mente a idéia que Odin o adotou para ser o elemento maldoso e covarde que tornaria Thor mais heróico.

Durante anos, Loki invejou seu irmão adotivo e foi um pária em um reino que não era seu. Só realizando seu maior desejo, percebeu que passou por cima da única pessoa que se importou com ele, mas quando vai contar para o irmão, já é tarde e seu destino não pode ser parado.





É uma história com uma premissa interessante, mas independente disso é uma aula de desenho, cor e interpretação artística de personagens com imagens relativamente desgastadas pelo tempo.

Um comentário:

Anibal disse...

Só tenho um comentário:

PHODA, PHODDAÇO...

Parabéns