quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Demolidor: O Homem Sem Medo

"É estranho ele não ser um vilão. Tinha todos os motivos para ser. Nasceu na pobreza, numa família desfeita. Passou a infância num bairro miserável. Foi ridicularizado, perseguido e espancado por valentões na escola. E, para piorar ainda mais, seus olhos foram atingidos por lixo tóxico e ele ficou cego para o resto da vida. Cego, infeliz e pobre. Cercado pela calamidade.

Modelos a seguir? Sua mãe. Um enigma. Já tinha ido embora antes de ele começar a andar. Seu pai? Um fracassado bem-intencionado, pagou pelo seu maior momento de coragem quando uma bala espalhou seus miolos num beco sombrio. Seu mestre, um guerreiro rude e desbocado que lhe mostrou a beleza do seu mundo de trevas, e depois desistiu dele como se fosse um fracasso. Sua vida amorosa? No mínimo, um desastre.

Ele tem todos os ingredientes para ser um vilão. Ele é um velhaco, desordeiro e briguento. Ele é um mentiroso, que usa uma máscara para trair o juramento solene que fez ao seu pai milhares de vezes. Ele é um tipo perigoso, dotado de talento quase sobre-humano para a violência. Ele é um solitário, um pecador, um advogado que infringe a Lei.

Isso tudo sem falar no seu temperamento perverso. Na verdade, ele tem todas as desculpas do mundo. E dentro dele estão todas as causas para atuar. Mas Matt Murdock não é vilão e nem vítima. Há algo muito forte nele, herdado de sua mãe desconhecida e de um pai amaldiçoado. Algo versado pela tragédia, atenuado pela consciência e lapidado pela disciplina. Algo que reprime a besta sedenta de sangue em seu interior, forçando-a a servir a causa da Justiça. Pelo menos, na maior parte do tempo.

Claro que a sua busca é dolorosa, repleta de falhas, culpas e dor. Tem que ser assim. Nada é fácil para Matt Murdock. Nunca foi. Mas cada desafio é mais um passo no seu caminho maldito, desde o levado moleque de rua até o improvável campeão. Uma busca dolorosa, uma busca que o deixa bem longe de ser perfeito. Talvez ele nunca faça parte da sagrada ordem de seu mestre, mas este herói fará o melhor que puder. Ele enfrentará os valentões até o dia de sua morte."

- Frank Miller
Los Angeles, 1993











Nenhum comentário: