quarta-feira, 30 de abril de 2008

Vagabond Volume 01

Vagabond tornou-se um gigantesco sucesso no Japão e está provocando uma pequena revolução da narrativa dos quadrinhos nipônicos atuais. A série continua sendo publicada na terra do sol nascente (está em sua edição nº 10 no momento) e a venda de seus primeiros volumes já ultrapassa a cifra dos 10 milhões de exemplares.

De maneira surpreendente, Vagabond ultrapassou as divisões de público no Japão e está fazendo sucesso tanto com público masculino quanto com o feminino, tanto com os adolescentes, quanto com os leitores de meia-idade, fãs das antigas histórias de samurai.

O sucesso de público é acompanhado do entusiasmo da crítica. Vagabond deu ao seu autor, Takehiko Inoue, diversos prêmios: entre eles o Kodansha Manga Award e o primeiro prêmio na categoria mangá do Cultural Affairs Media Arts Festival do ano 2000.

Vagabond já está sendo aclamada como a responsável por uma revitalização do gênero samurai. E Takehiko Inoue fez sua revolução tomando justamente a história que deu origem a todas as outras deste estilo: a saga de Musashi, o herói do século 17, que tem sido uma das principais referências do imaginário japonês.

Musashi inspirou inúmeros filmes, séries de TV, livros e gibis. Inclusive uma série de filmes estrelados por Toshiro Mifune, o mais famoso e respeitado ator da história do cinema japonês.

Mas o que faz Vagabond ser publicado em diversos países da Ásia e Europa como edutainment (que instrui e diverte) e, ao mesmo tempo, atrair tanto a atenção de adolescentes, meninos e meninas? "Será o rosto bonito de Musashi na versão de Inoue, a habilidade do desenhista nas cenas de ação?", pergunta a crítica norte-americana Sarah Ellis.

Para outro jornalista, o japonês Chie Go, o segredo do sucesso de Vagabond seria a habilidade de Inoue em fundir diversos gêneros, algo como Alan Moore faz no mundo ocidental.

O primeiro número - Aos 17 anos, Takezo Shinmen (este é o verdadeiro nome de Musashi Miyamoto), participa da batalha de Sekigahara, que deu origem ao período Edo. Mas ele tem a falta de sorte de estar do lado perdedor.

Depois da luta, e de enfrentar um grupo de caçadores de recompensa, ele se refugia junto com seu amigo Matahashi Hon´iden, na casa de Okoo e sua filha Akemi. Assim, começa a história de Musashi neste primeiro número de Vagabond.

História - Musashi Miyamoto foi o mais famoso samurai da história do Japão. Ele nasceu em 1584, foi criado por um tio e teve uma juventude muito turbulenta. Com 13 anos, matou um homem em sua primeira luta. Quatro anos depois, estava na Batalha de Sekigara (1600), na qual Tokugawa Ieyasu unificou o Japão e deu início a um período de paz no país.

O fato de não haver mais as batalhas entre feudos não impediu que Musashi continuasse a demonstrar sua habilidade com a espada. Morreu em 1645, quando sua carreira como espadachim registrava 60 homens mortos em duelos honrados.

Sua força e habilidade tornaram-se lendárias. Ele desenvolveu um estilo de esgrima de duas espadas, chamado Niten-Ichi. Mas Musashi dedicou-se também aos estudos do zen budismo e ficou famoso como escultor e pintor.

Também escreveu um livro, Gorin-No-Sho (Livro dos Cinco Anéis), sobre estratégia e artes marciais, que tem diversas edições no Brasil, entre elas uma da Ediouro e outra da Madras.

Sua biografia, Musashi, escrita por Eiji Yoshikawa (lançada no Brasil pela Estação Liberdade), é o livro mais vendido da história do Japão, com mais de 120 milhões de cópias. Também tornou-se um grande sucesso no Brasil. É este livro que Inoue usou como base para seu Vagabond.

O autor - Takehiko Inoue nasceu em 12 de janeiro de 1967, na ilha de Kyushyu. Entrou para o mundo dos mangás vencendo o concurso Tezukashiyoh, criado pela editora Shueisha para homenagear Osamu Tezuka, o pai dos quadrinhos japoneses.

Pouco depois, no final de 1990, lançou Slam Dunk, uma série de aventuras em torno de um esporte pouco popular no Japão: basquete. Foi um sucesso absoluto. Mais de 10 milhões de exemplares foram vendidos dos 31 volumes da série.

Terminado Slam Dunk, Inoue se dedicou a série Buzzer Beater, também focada no basquete, mas desta vez feita especialmente para a Internet. Depois veio uma história curta, chamada Piercing, e finalmente Vagabond, superando inclusive o sucesso fantástico de seu primeiro trabalho.



2 comentários:

kratos disse...

Vagabond é show de bola, tô baixando todas e na espera dos próximos volumes. Valeu

ADAD disse...

Nem sabia q era tão bom