quarta-feira, 14 de maio de 2008

Os Sete Soldados da Vitória - Parte 1

Um dos projetos mais ambiciosos de Grant Morrison, altamente elogiado pela crítica e muitos leitores, inclusive eu. Nos Estados Unidos, foi inicialmente publicada em um formato surpreendente: sete minisséries em quatro partes, cada uma dedicada a um personagem. No começo e no desfecho, dois especiais amarravam as tramas. Apesar de poderem ser lidas independentemente, as obras se influenciavam, mesmo que os personagens não se encontrassem.

As séries eram mensais, mas a cada semana a DC lançava uma edição de uma mini diferente. E, para seguir a ordem correta, os leitores tinham que intercalar os títulos a partir da seqüência de publicação.

Os protagonistas são personagens de terceiro escalão - ou além - que ressurgem em pleno Universo DC, dentro da mesmíssima cronologia de Superman e Batman. Há Zatanna, sim, que é mais popular, mas o leitor ainda encontrará Klarion, O Menino-Bruxo. Para cada série, há um artista e um tom completamente diferente.

Parece um suicídio editorial. E provavelmente teria sido mesmo, não fosse o autor. Grant Morrison é um roteirista extremamente hábil, capaz de produzir títulos mainstream de primeira grandeza, como Grandes Astros - Superman, Liga da Justiça e X-Men, e ainda sustentar obras mais alternativas de altíssimo nível, como WE3 e Os Invisíveis.

O texto acima foi retirado do review da edição brasileira de Sete Soldados da Vitória 1 do site Universo HQ.

A obra é tão complexa que to seguindo a ordem de leitura da editora Panini, dá edição que saiu por aqui. Agora boa leitura galera. A segunda parte virá em breve.


Nenhum comentário: